Skip to content →

Tag: música brasileira

Violins ao vivo no Festival DoSol

Falando em Violins, fica a dica desse bootleg da banda no Festival DoSol de 2010, em Natal. São 9 faixas e algumas delas, como “Forasteiro”, “Mata A Farra” e “Medo de Dar Certo”, estão prometidas para o próximo disco da banda, Direito de ser nada.

Abaixo, um vídeo da apresentação da banda no festival.

O bootleg (com boa qualidade) está disponível para download aqui na página do DoSol. Só clicar. As músicas são estas:

01) Forasteiro
02) Comercial de Papelaria
03) Sono De Rei
04) Festa Universal Da Queda
05) Mata A Farra
06) Tsunami
07) Medo de Dar Certo
08) O Anti-Heroi (pt. 1)
09) Grupo de Extermínio de Aberrações

 

Leave a Comment

Novo álbum do Violins a caminho

O Violins anunciou pelo twitter que já está terminando a fase de pré-produção do novo álbum, que já ganhou até nome: Direito de ser nada. O último disco que a banda lançou é o Greve das navalhas, de 2010. Em 2011 eles completam 10 anos de carreira, que teve início com o EP Wake up and dream, quando ainda assinavam como Violins And Old Books e cantavam em inglês.

Muita coisa mudou de lá pra cá. A banda passou a compor e cantar em português e se firmou como uma das mais produtivas nesse vasto mundo independente do Brasil. São seis discos oficiais até hoje, contando desde o primeiro EP. Há sobretudo qualidade e não apenas quantidade na obra do Violins, que fique claro. Além disso, com o tempo Beto Cupertino (vocalista e guitarrista) se tornou um dos melhores compositores dessa geração, responsável por pelo menos um clássico da música brasileira nesse início de século: “Grupo de Extermínio de Aberrações”. Sem contar pérolas como “Deus Você”, “Glória”, “Manicômio”, “Manobrista de Homens”, “O Fim da Música Como Arte”, “Tsunami” e “Roda Da Historia”. A lista é extensa…

 Grupo de Extermínio de Aberrações no Festival Garimpo de 2009. Que noite

O tracklist de Direito de ser nada anunciado pela banda é este:
Medo de Dar Certo
Nossos Embrulhos
Nenhum Caminho
Combate
Rumo de Tudo
Forasteiros
Mata a Farra
Nani
Fim Perfeito
O Grande Esforço
Perdoar é a Maior das Injustiças

Aguardemos.

 

One Comment

2010 acabou. Mas a música não

2010 acabou… Tem música que vai ficar por um bom tempo na nossa memória e outras nem tanto. Alguns discos e/ou canções vão permanecer como referência para determinados momentos da vida de cada um – para o bem ou para o mal. O ano que acabou teve de um lado grandes estreias (Tulipa Ruiz, Marcelo Jeneci, Apanhador Só, Jair Naves solo…) e do outro lado bandas firmando suas identidades (Superguidis, Cérebro Eletrônico, Lestics, Pata de Elefante…). A tão falada, discutida e “teorizada” nova música brasileira segue marcando terreno, comendo pelas beiradas, conquistando espaço e, sobretudo, respeito.

O ano de 2010 acabou, mas a música que nasceu nele, não. Ela vai permanecer viva, pulsando e sendo descoberta por aí com o passar do tempo. Daqui uns anos algum moleque ainda vai descobrir o EP “Araguari”, do Jair Naves, e se identificar com as letras pessoais e sinceras à flor da pele. Ou então com o amadurecimento dos “guris” da Superguidis exposto do terceiro disco da banda. Ou ainda com a síntese/escola dos anos 00 que é o álbum do Apanhador Só – nessa década musical que começou em 2001 com o pontapé do Los Hermanos e o irretocável “Bloco do Eu Sozinho”.

Esse mesmo moleque talvez possa querer fazer uma festa e colocar umas garotas para dançar ao som do disco “Sunga”, do Holger (Sunga é um nome bem sugestivo, aliás) e da estreia do Do Amor. Ele também pode tentar arrastar alguma moça para um local mais reservado nessa mesma festa com a intenção de dar uns pegas na presa e usar o “Fred Astaire”, do Lucy and the Popsonics, para tal finalidade. Ou então usar a safadeza do primeiro disco cheio do Dead Lover’s Twisted Heart.

O sujeito também pode descobrir que música pode ser feita apenas por amor à própria música, sem nenhuma pretensão. Como é o caso do belo “Machismo”, do Giancarlo Rufatto. Além disso, ele pode entender que o disco homônimo do Watson demonstra que o grupo merece uma atenção mais cuidadosa (mesmo que a banda ainda precise ser lapidada). Há ali um compositor (Miguel Martins) que merece atenção.

O personagem/moleque deste texto pode querer juntar uns amigos para tomar umas cervejas e tragar alguns cigarros (independente da espécie) lá pelo meio da tarde ao som de “Amigo do Tempo”, da banda Mombojó ou então do EP “Pressuposto”, do Nevilton. Sem contar o disco “Deus e o Diabo no Liquidificador”, do Cérebro Eletrônico. Isso tudo com a certeza de que está na companhia de artistas que têm qualidade musical, autoral e presença de palco para segurar qualquer festa (independente do tamanho).

Provavelmente o moleque irá entender que o passado pode ser revisitado (como é constantemente), mas com respeito e um toque de ousadia, como o álbum “Escaldante Banda”, do Garotas Suecas, e até mesmo o Diego e O Sindicato com o disco “Parte de Nós”. A ousadia pode estar principalmente no ato de abrir o baú de maneira tão escancarada e sem medo, mas ainda assim com uma identidade própria. Ou mesmo sentir curiosidade por Marcela Bellas e seus projetos paralelos (“Cohen & Marcela” e “Undergrude”, ambos lançados em 2010) e ficar confuso por ela ainda ser (ou ter sido) um dos segredos mais bem guardados da Bahia de todos os santos e artistas peculiares.

O tal moleque pode até se emocionar profundamente ao ouvir Marcelo Jeneci e Tulipa Ruiz com “Feito Pra Acabar” (dele) e “Efêmera” (dela) e sacar a ironia dos nomes de duas obras que já estão cravadas na história da música brasileira. E ainda ficarão marcadas como referência em questão de composição, arranjos e produção para futuras obras e artistas.

Enfim, tudo isso para colocar aqui alguns discos que foram lançados em 2010 e disponibilizados para download gratuito pelos próprios artistas. Certamente esqueci muita coisa. Faz parte da vida e da idade. Mas deixa aí nos comentários que conversamos…

Não seja passivo (a). Busque o novo.

(Clique nos nomes para baixar os discos.)

A Banda de Joseph Tourton – A Banda de Joseph Tourton

Apanhador Só – Apanhador Só

Cohen e Marcela – MiM Um Disco Romântico

Dead Lover’s Twisted Heart – DLTH

Diego e O Sindicato – Parte de Nós

Do Amor – Do Amor

Garotas Suecas – Escaldante Banda

Giancarlo Rufatto – Machismo

Graveola e o Lixo Polifônico – Um e Meio

Guizado – Calavera

Gustavo Telles & Os Escolhidos – Do Seu Amor, Primeiro É Você Quem Precisa

Holger – Sunga

Irmãos Brutos – EP (link disponibilizado no MySpace da banda)

Jair Naves – Araguari

Lafusa – O Preço do Horizonte

Lenzi Brothers – Fora de Estoque

Lestics – Aos Abutres

Los Pirata – Les Show

Love Bazucas – Love Bazucas

Lucy and the Popsonics – Fred Astaire

Maquinado – Mundialmente Anônimo

Mombojó – Amigo do Tempo

Nevilton – Pressuposto

Pata De Elefante – Na Cidade

Rael Da Rima – MP3: Música Popular do 3º Mundo

Renato Godá – Canções para Embalar Marujos

Rocknova – Diante

StereoScope – Conjunto de Rock

Superguidis – Superguidis

Watson – Watson

7 Comments